terça-feira, 21 de novembro de 2017

A bizinha

A vizinha de Trás-os-Montes:

“Extex meux bizinhos xão ox meux perferidos. C’um carais, dêem cá uma beijoca. Xão tão bons rapaxes”

Presente de Anos

Hoje meu gajo faz anos, e para exorcizar aquele sangue quente de Escorpião, vou dar ao meu namorado um salto de paraquedas em Évora.

Sim, quero a herança dele.


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Before The Fall


Só a ideia, de modernizar para o Séc. XXI o Pride and Prejudice da Jane Austin, dá assim umas coceguinhas. . Transformá-lo numa história de amor entre dois homens...já soa a esturro.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Documentário Dream Boat


O primeiro pensamento foi "Será que eu ia a um cruzeiro gay??" 
Namorando jamais. Acho que é deitar lenha para a fogueira, pôr a relação a jeito, arranjar sarna para se coçar - isto claro se for uma relação monogâmica
Solteiro, também duvido que fosse. A minha auto-estima iria andar ao nível da casa das maquinas tal a concentração de biceps e triceps. 
Fico-me pelo cacilheiro Lisboa-Almada e tento piscar o olho a outro um suburbano como eu.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

domingo, 12 de novembro de 2017

Auto mimos

Se há coisa no Sudoeste Asiático que gosto de fazer é tratar de mim nos spas - coisa que jamais faço em Lisboa ou na Europa porque os preços são um autêntico roubo.
Pois que aqui já fiz umas 8 massagens - cada uma do seu género, mais uma esfoliação e desvirginei-me na manicure e pedicure. Mas sem verniz que aqui o gajo é muito macho!!

Hoje antes de partir, fui dar umas voltas de mota e ainda fui aparar a barbucha - por 2.5€ - para chegar a casa bonito para o namorado, e ele ficar mais contente com a minha chegada.






sexta-feira, 10 de novembro de 2017

O que fazer ou não fazer?

Hoje fomos para outra Praia a oeste do nosso hotel em Lombok.
Recomendada nos guias e pelo querido staff dos hóteis.
A caminho um cão morto resta na estrada acabado de ser atropelado e os locais nem se preocupam em retirá-lo; mais à frente uma mãe atirava pedras ao filho - algo que me espantou mesmo muito na Ásia porque até à data só tinha visto carinho com as crianças; entretanto chegámos à praia e deparamos com uma miséria não só humana como ecológica.
Ficamos em choque.
Ao longe viamos uma baía azul, maravilhosa, tal qual postal ilustrado. 

Ops....Update Séc. XXI: Tal qual foto do Instagram.

Ao aproximar-nos, tudo era lixo. Tudo tão sujo. A água de um azul transparente mas cheia de lixo a boiar.
Não quisemos ficar ali, o que muito espantou os locais, ainda por cima depois de termos pago para aceder à praia, e fomos embora enojados e tristes.
Sim, limpeza não é coisa que abunda aqui mas ali, naquele paraíso, naquela baía idílica, chocou-nos.

Fomos para a praia seguinte.
Meia dúzia de locais à sombra, tudo calmo, a jogar cartas.
Em oposição, meia dúzia de turistas - em férias! - a limpar a praia, com sacos de ráfia na mão a apanhar os - alguns - plásticos.

E tentar explicar aos locais que em última instância é para o bem deles? E só tentei falar das questões que lhe são mais próximas - e prementes: o porquê de manter limpos os espaços para ganhar dinheiro com turistas. 
“Discutimos” uns com outros sobre qual a nossa atitude mais certa.
Impor a nossa cultura de limpeza?
Impor a nossa cultura de lazer balnear?
Educá-los à nossa maneira?
Nós é que estamos mal e a invadir o espaço deles?
Com pequenas acções se faz a mudança?

Eu não me juntei ao grupo de limpeza. Do nosso grupo só a Chloé. 
Limpar pelos locais enquanto eles estão à sombra, ou na outra praia estiveram a borrifar-se se ficávamos ou não e não perceberam que perderam “negócio” connosco pois não consumimos na praia?!
Recolher o lixo para acalmar a nossa culpa ecológica e pelo menos fazer alguma coisa pelo planeta, tal como a Chloé fez?
Não sei....Não sei mesmo.
Sou um tipo, que não rara vez, quando vê lixo na rua, apanha.
Mas num país estrangeiro, em especial nestes casos não tenho esse hábito. Acho que não me cabe a mim.
Sei que o planeta é a minha casa. Não um território definido por fronteiras politicas.
Mas estou a ser egoísta e preguiçoso, não?




A bizinha

A vizinha de Trás-os-Montes: “Extex meux bizinhos xão ox meux perferidos. C’um carais, dêem cá uma beijoca. Xão tão bons rapaxes”